Ministro diz que ainda não está definido se Bolsonaro desfilará em carro aberto na posse

Chefe do Gabinete de Segurança Institucional deu detalhes sobre esquema de segurança na cerimônia. Ele pediu cautela e disse que decisão sobre desfile passará pelo presidente eleito.

O ministro do GSI, general Sérgio Etchegoyen — Foto: Antonio Cruz/ Agência BrasilO ministro do GSI, general Sérgio Etchegoyen — Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, disse nesta terça-feira (18) que ainda não está definido se o presidente eleito Jair Bolsonaro fará o tradicional desfile em carro aberto durante a cerimônia de posse no próximo dia 1º de janeiro.

A declaração foi dada durante entrevista coletiva em Brasília, na qual Etchegoyen deu detalhes sobre o esquema de segurança previsto para a posse presidencial.

Geralmente, no dia da posse, o presidente eleito desfila pela Esplanada dos Ministérios no Rolls Royce presidencial. Também vão no carro o motorista, um militar, o presidente e algum familiar, em geral o marido ou a esposa. Eles acenam para a população enquanto percorrem o trajeto entre a Catedral de Brasília e o Congresso Nacional, um percurso de cerca de 1,5 quilômetro.

“Esta decisão [sobre o desfile em carro aberto] não está tomada. Ela vai ser tomada em função das circunstâncias que vão evoluindo até a tarde do dia primeiro. E da decisão do presidente”, afirmou o chefe do GSI.

Segundo Etchegoyen, apesar de Bolsonaro ser o primeiro presidente a ser empossado que sofreu uma tentativa de assassinato, o que exige “cautela”, o efetivo de segurança disponível para a cerimônia é “suficiente” para garantir a ordem no dia da posse.

“O que a gente pode assegurar é que a Esplanada estará absolutamente segura para o evento. […] Nunca tivemos um presidente que tenha sofrido uma tentativa de assassinato. Isso exige de quem faz sua segurança a cautela. O presidente Bolsonaro ainda sofre restrições e exige cuidados”, afirmou o general.

“A festa vai estar muito bonita e muito segura, que é o que interessa”, complementou.

Etchegoyen falou ainda sobre supostas ameaças que Bolsonaro vem recebendo. De acordo com o ministro, as ameaças só deixam de ser ameaças quando são plenamente esclarecidas.

“Vamos imaginar: se ele sofreu uma ameça em julho e até hoje ela não está esclarecida, ela ainda é uma ameaça viva. Consequentemente, está no planejamento. É dessa forma que conduzimos a questão”, ressaltou o ministro.

Esquema de segurança

Segundo Etchegoyen, a Esplanada dos Ministérios será fechada para público e carros a partir da 0h do dia 30 de dezembro. No dia 31, não haverá expediente nos ministérios. Ele disse que a medida foi tomada para que seja assegurada tranquilidade durante a festa.

“Para que nós possamos assegurar a todos que venham nesta festa e, obviamente, ao presidente da República e demais autoridades, todas as condições essenciais e necessárias para que tudo transcorra como esperamos e temos certeza que vai transcorrer”, afirmou o ministro.

No dia da posse, o acesso do público só poderá ser feito pela Rodoviária do Plano Piloto. Não serão permitidos no local o porte de:

  • Garrafas;
  • guarda-chuva;
  • fogos de artifício;
  • apontadores laser;
  • animais;
  • bolsas e mochilas;
  • sprays;
  • máscaras;
  • produtos inflamáveis;
  • armas de fogo;
  • objetos cortantes;
  • drones;
  • carrinhos de bebê.

Para este controle, o GSI programou quatro pontos de revista pessoal que serão colocados ao longo de toda a Esplanada. O primeiro será logo na saída da Rodoviária e o último estará localizado na Praça dos Três Poderes.

Ao longo do percurso serão colocados pontos de distribuição de água potável, além de postos médicos. O público poderá contar com diversos telões para acompanhar as cerimônias realizadas dentro do Congresso Nacional e do Palácio do Planalto.

O ministro Sergio Etchegoyen não informou o número de homens que trabalharão na segurança no dia da posse.

“O que a gente pode assegurar com muita firmeza é que a Esplanada estará absolutamente segura para a festa do dia primeiro. Sem que isso traga maiores constrangimentos, dificuldades para que as pessoas acessem e participem da festa”, disse.

Fonte: G1