Publicado em 19 de setembro de 2018 por

Informação foi confirmada ao G1 pelos familiares da vítima na noite desta terça-feira, 18. A modelo Mara Castro Monnarca concorreu ao Miss Pará 2012

Ex-miss é morta em Marituba, no Pará — Foto: Reprodução/FacebookEx-miss é morta em Marituba, no Pará — Foto: Reprodução/Facebook

O corpo da mulher encontrado nesta terça-feira (18), em Marituba, região metropolitana de Belém, é da modelo paraense Mara Castro Monnarca, 29, que concorreu em 2012 ao Miss Pará representando Mosqueiro, distrito de Belém. A informação foi confirmada por familiares da vítima.

Moradores avistaram o corpo em área de mata na comunidade Nova Jerusalém. A Polícia e o Instituto Médico Legal (IML) foram acionados.

O corpo da jovem passa por análises da necropsia e ainda não foi liberado pelo IML. A mãe da vítima, Rita da Conceição Castro, e a irmã, Meg da Conceição Castro, foram até o IML fazer o reconhecimento do corpo.

“A minha filha se meteu com um vagabundo. Eu acho que ele, lá da cadeia, mandou matar ela”, disse a mãe da vítima. Ainda segundo ela, o corpo será levado para Mosqueiro, para ser velado lá.

A vítima foi encontrada morta com perfurações no corpo e no pescoço — Foto: Reprodução/FacebookA vítima foi encontrada morta com perfurações no corpo e no pescoço — Foto: Reprodução/Facebook

De acordo com a Divisão de Homicídios (DH), Mara Castro Monnarca estava com perfurações pelo corpo e não havia sinais de estupro. A DH também informou que está levantando informações sobre o caso.

O caso deve ser investigado pela Seccional de Marituba e quem tiver informações que possam contribuir com o trabalho da polícia pode entrar em contato pelo Disque-Denúncia, no 181.

Leia Mais Corpo encontrado em Marituba, no PA, é de modelo e ex-miss, afirma mãe da vítima

Publicado em 13 de setembro de 2018 por

Candidato do PSL foi submetido a cirurgia de emergência para desobstruir o intestino na noite de quarta. Segundo médicos, ele passa bem e não sentiu dores nem náusea.

bolsonaro-hospital-rogerO candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, evolui bem após passar por cirurgia de emergência para desobstruir o intestino na noite de quarta-feira (12), informou boletim médico divulgado na manhã desta quinta-feira (13) pelo Hospital Albert Einstein.

O candidato está internado desde sexta (7) no hospital da Zona Sul de São Paulo, após ser vítima de uma facada durante ato de campanhaem Juiz de Fora, Minas Gerais.

O procedimento durou duas horas e terminou por volta das 23h30. Segundo os médicos, a nova intervenção foi bem-sucedida e o candidato passa bem. Ele não sentiu dores nem teve náusea durante a madrugada. Bolsonaro foi levado para o mesmo leito onde estava antes da cirurgia, e voltou a ter o protocolo de cuidados de UTI.

Carlos Bolsonaro, um dos filhos do candidato, fez na manhã desta quinta um post nas redes sociais sobre a cirurgia.

 @CarlosBolsonaro

 Médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e técnicos de enfermagem; estou vendo de perto o trabalho dessas pessoas desde o início e só temos a agradecer! Noite delicada, mas 100% contornada. O velho é forte como um cavalo, não é a toa que seu apelido de Exército é “cavalão”!

Cirurgia

Na noite de quarta, o hospital informou que Bolsonaro teve “distensão abdominal progressiva e náuseas”, e precisou passar por uma tomografia no abdômen. O exame identificou presença de aderência obstruindo o intestino delgado. Segundo o hospital, a solução do problema era cirúrgica.

Em uma das três perfurações sofridas no intestino delgado, formou-se uma fístula, um pequeno orifício, que provocou inflamação e gerou o quadro de aderência, que é uma obstrução intestinal.

De acordo com médicos especialistas, a aderência (ou a união de dois tecidos do corpo) ocorreu em decorrência da cicatrização interna em áreas que sofreram incisão cirúrgica, no caso, a realizada após a facada.

Novo boletim médico do candidato Jair Bolsonaro — Foto: ReproduçãoNovo boletim médico do candidato Jair Bolsonaro — Foto: Reprodução

A aderência foi causada pela inflamação decorrente do trauma e dificultou a passagem de alimentos pelo intestino. Na cirurgia, as fístulas foram suturadas e as aderências foram liberadas.

“Além disso, constatou-se um extravasamento de secreção entérica (secreção intestinal) a montante do ponto de obstrução em uma das suturas realizadas anteriormente para correção dos ferimentos intestinais. Em grandes traumas abdominais esta complicação é mais frequente do que em cirurgias programadas”, diz o boletim da manhã desta terça (leia a íntegra acima). “A limpeza abdominal foi realizada como feito rotineiramente.”

Todos os pontos de possível obstrução foram tratados para reduzir a chance de novos problemas na região.

A alimentação voltou a ser parenteral (endovenosa) desde a tarde de quarta. A dieta será liberada quando se reestabelecer o trânsito gástrico. O tipo de dieta será decidido após a liberação.

Bolsonaro sofreu um atentado na última quinta-feira (6) e foi atingido por uma facada durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG). Bolsonaro precisou passar por cirurgia após sofrer lesões nos intestinos delgado e grosso, e foi encaminhado para o Albert Einstein no dia seguinte.

Recuperação em hospital de SP

A previsão inicial de internação era de sete a dez dias. Médicos e parentes do presidenciável disseram que a nova cirurgia, porém, deve atrasar a alta.

Depois de sair do hospital, o candidato será submetido a outra cirurgia de grande porte para “reconstruir o trânsito intestinal e retirar a bolsa de colostomia”.

A realização da operação já estava prevista para depois que o candidato tiver alta. Segundo médicos ouvidos pela reportagem, a cirurgia só deve acontecer daqui a dois meses. Nesse meio tempo, Bolsonaro seguirá com a bolsa externa ligada à barriga.

Leia Mais Bolsonaro evolui bem após cirurgia no intestino, diz boletim médico

Publicado em 13 de setembro de 2018 por

Delegada diz que Joel Cunha Silva, 21, cometeu crime com crueldade, furando os olhos do companheiro; ele foi capturado em Anápolis, onde morava nas ruas.

Joel Silva foi preso suspeito de matar o namorado em Goiânia — Foto: Polícia Civil/DivulgaçãoJoel Silva foi preso suspeito de matar o namorado em Goiânia — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Um jovem de 21 anos foi preso suspeito de matar a facadas o namorado, Doasley Ferreira de Souza, de 34 anos, em Anápolis, a 55 km de Goiânia. De acordo com a Polícia Civil, Joel Cunha Silva, de 21 anos, cometeu o crime com crueldade, furando os olhos do companheiro e gravando as iniciais do próprio nome na barriga do companheiro.

A delegada responsável pelo caso, Magda D’Ávila, disse que Joel e Doasley mantinham um relacionamento há alguns meses. Ela afirma que o jovem confessou o crime, mas negou que os dois fossem namorados. A investigadora acredita que o crime tenha sido motivado por ódio e por “não aceitação da própria orientação sexual”.

“Foi um crime horrível, com requintes de crueldade. Ele esfaqueou os olhos do namorado, o perfurou por várias partes do corpo e ainda escreveu ‘Jo’ na barriga dele. Ele diz que matou o Doasley porque havia pedido dinheiro para ele, mas ele não havia entregado. Nós apuramos que sim, eles tinham um relacionamento, eram namorados, o que ele nega veementemente”.

 “Trata-se de um crime cometido com muito ódio. A gente percebe que ele estava neste relacionamento, mas tinha raiva, não aceitava a própria orientação sexual”, disse a investigadora.

Não conseguimos localizar a defesa de Joel.

O crime ocorreu no dia 14 de abril deste ano, na quitinete em que Doesley morava, no Setor dos Funcionários, região central de Goiânia.

Conforme a delegada, no local estavam Joel, Doesley e um amigo do casal, Luiz Roberto de Morais, quando uma discussão começou. Durante a briga, conforme a investigadora, Joel esfaqueou o namorado e fugiu. O corpo foi encontrado por colegas de trabalho da vítima.

Segundo a delegada, Luiz Roberto foi localizado em junho, dois meses após o crime, e chegou a ser preso suspeito do crime. Ele negou ter participado e indicou o nome de Joel como sendo o autor das facadas. A investigação concluiu que Luiz não teve participação na morte, o inocentou do homicídio, mas o indiciou por omissão de socorro.

“Foi por meio do Luiz Roberto que nós encontramos Joel. Ele negou o fato, disse que o Joel havia sido o autor. Dois meses depois, quatro meses de pois do crime, a Inteligência da polícia localizou o autor, que estava morando as ruas em Anápolis. Ele, além de confessar, disse que Luiz Roberto realmente não cometeu o crime e, inclusive, tentou apartar a briga”, contou a delegada.

Joel foi indiciado por homicídio duplamente qualificado. Já Luiz Roberto, como a investigadora explicou, vai responder por omissão de socorro, por ter fugido do local após o crime.

Leia Mais Jovem é preso suspeito de matar namorado a facadas e riscar iniciais do próprio nome na barriga da vítima

Publicado em 13 de setembro de 2018 por

Segundo a Delegacia de Defesa da Mulher, jovem aparenta estar arrependida de denunciar o pai, de quem engravidou duas vezes. Advogados foram contratados pela filha para tentar tirá-lo da cadeia.Violência-doméstica-contra-crianças-e-idosos

A jovem que foi abusada pelo pai desde criança vivia um relacionamento “de marido e mulher” com ele, segundo apuração da Delegacia de Defesa da Mulher da Mulher (DDM) de Jundiaí (SP). O homem está preso temporariamente desde segunda-feira (10), no Centro de Triagem de Campo Limpo Paulista (SP).

Em entrevista, a investigadora responsável pelo caso afirmou que a mulher, hoje com 27 anos, tinha um relacionamento com o pai desde os 15.

“Eles viviam como marido e mulher. Muitas pessoas sabiam e faziam ‘vista grossa’, porque ela aceitava a situação e não era forçada a isso”, explica a investigadora Lilian Picchi.

O caso chegou à DDM apenas no fim de agosto, quando a vítima procurou ajuda por influência de uma amiga. Ela disse que começou a ser estuprada quando tinha 7 anos e que os abusos aconteciam com frequência na casa onde morava com o pai, a mãe, dois irmãos e uma irmã.

Durante o período dos abusos, a vítima ficou grávida duas vezes – o primerio filho morreu ao nascer e o segundo está com 7 anos. Ainda segundo a polícia, após os 15 anos, o relacionamento teria sido consentido entre pai e filha.

Segundo Lilian, a mulher aparenta estar arrependida de ter denunciado o pai, já que, ao saber da prisão dele, saiu de um abrigo da prefeitura, onde recebia atendimento psicológico e assistência social, para contratar um advogado para defendê-lo e tentar tirá-lo da prisão.

Em depoimento à polícia, a jovem afirmou que chegou a ter alguns namorados, mas contou que os relacionamentos nunca davam certo, porque o pai era muito ciumento e “ficava em cima” quando ela saía com os rapazes.

A mãe da jovem só foi saber do caso em 2017, quando a filha revelou que o pai era progenitor do filho dela. Após a revelação, o homem teria saído de casa e voltado algum tempo depois. Neste período, eles continuaram tendo relações sexuais.

Apesar de morar com a esposa, a polícia afirma que o homem não tinha mais nenhum tipo de relacionamento amoroso com ela.

A DDM afirmou que a mulher não pode retirar a queixa, já que os abusos começaram quando ela ainda era uma criança.

‘Nunca vi caso assim’

Lilian afirmou que o desenrolar do caso surpreendeu a ela e a todos da DDM. A família não teve a identidade revelada à imprensa, mas o G1 tenta contato com o advogado contratado pela mulher.

“Em 20 anos de trabalho nós nunca vimos um caso assim. É muita reviravolta, uma situação difícil de compreender”, conta.

O homem deve permanecer preso por 30 dias até que o inquérito seja analisado por um juiz. A investigadora disse que o advogado contratado pela filha deve entrar com um habeas corpus para tentar liberar o homem.

A DDM afirmou que, apesar de ter deixado o abrigo mantido pela prefeitura, a vítima continua recebendo atendimento psicológico.

Leia Mais ‘Viviam como marido e mulher’, diz DDM sobre filha abusada pelo pai durante anos

Publicado em 13 de setembro de 2018 por

violência-contra-crianças-e-adolescentes-1

A menina de 11 anos, que foi estuprada pelo irmão dentro de casa, está internada em estado grave no Hospital Municipal de Serrinha, a cerca de 175 km de Salvador, nesta quinta-feira (13).

A polícia informou, com base no boletim médico fornecido pela unidade de saúde, que a criança teve hemorragia interna devido a uma laceração na região íntima, após ser violentada.

Bruno Cordeiro Reis, de 20 anos, violentou a criança durante uma visita. O jovem foi preso na casa onde estuprou a vítima, poucas horas depois do crime, e confessou o abuso.

Ele é irmão da garota apenas por parte de mãe, e esteve na casa para visitar a família. Segundo a polícia, ele aproveitou a ausência da mãe para atacar a criança.

Leia Mais Menina de 11 anos estuprada pelo irmão durante visita está internada em estado grave na Bahia