Publicado em 20 de novembro de 2018 por

Cratera Jezero foi escolhida pela riqueza de amostras de rochas e solo.

Cratero Jezero em Marte é o local escolhido para pouso de nova missão da Nasa — Foto: NASA/JPL/JHUAPL/MSSS/Brown UniversityCratero Jezero em Marte é o local escolhido para pouso de nova missão da Nasa — Foto: NASA/JPL/JHUAPL/MSSS/Brown University

A Nasa escolheu a cratera Jezero como o local de pouso para a missão em Marte em 2020 após uma pesquisa de cinco anos, durante a qual cada detalhe disponível de mais de 60 locais candidatos no Planeta Vermelho foi examinado e debatido pela equipe da missão e pela comunidade científica planetária.

A missão está programada para ser lançada em julho de 2020 como o próximo passo na exploração do Planeta Vermelho. Ele não apenas buscará sinais de antigas condições habitáveis – e da vida microbiana do passado -, mas também irá coletar amostras de rochas e solo e armazená-las em um esconderijo na superfície do planeta. A Nasa e a ESA (Agência Espacial Européia) estão estudando futuros conceitos de missão para recuperar as amostras e devolvê-las à Terra, de modo que este local de pouso prepara o terreno para a próxima década de exploração de Marte.

“O local de pouso na cratera Jezero oferece terreno geologicamente rico, com formações de terras de até 3,6 bilhões de anos, que poderiam potencialmente responder questões importantes em evolução planetária e astrobiologia”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado do Diretório de Missões Científicas da NASA.

“Obter amostras desta área exclusiva revolucionará a forma como pensamos sobre Marte e sua capacidade de abrigar vida.”

A cratera Jezero está localizada na borda oeste de Isidis Planitia, uma gigantesca bacia de impacto logo ao norte do equador marciano. O oeste de Isidis apresenta algumas das paisagens mais antigas e cientificamente interessantes que Marte tem para oferecer. Cientistas da missão acreditam que a cratera de 45 quilômetros de extensão, que já abrigou um antigo rio delta, poderia ter coletado e preservado antigas moléculas orgânicas e outros potenciais sinais de vida microbiana da água e sedimentos que fluíram para a cratera bilhões de anos atrás.

O antigo sistema lago-delta da cratera oferece muitos alvos promissores de amostragem de pelo menos cinco tipos diferentes de rochas, incluindo argilas e carbonatos que têm alto potencial para preservar assinaturas de vidas passadas. Além disso, o material transportado para o delta a partir de uma grande bacia pode conter uma grande variedade de minerais dentro e fora da cratera.

Dificuldades de pouso

A diversidade geológica que torna Jezero tão atraente para os cientistas também torna um desafio para os engenheiros de entrada, descida e pouso (EDL) da equipe. Junto com o enorme delta do rio próximo e pequenos impactos de crateras, o local contém numerosos pedregulhos e pedras a leste, falésias a oeste e depressões cheias de formas de leito eólicas (ondulações derivadas do vento na areia que poderiam prender o veículo de exploração) em vários locais.

“A missão tem cobiçado o valor científico de locais como a cratera Jazero, e uma missão anterior contemplava ir até lá, mas os desafios com pouso seguro foram considerados proibitivos”, disse Ken Farley, cientista do projeto Marte 2020 no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA. “Mas o que antes estava fora de alcance agora é concebível, graças à equipe de engenharia e aos avanços nas tecnologias de entrada, descida e pouso da missão.”

Quando a busca do local de pouso começou, os engenheiros da missão já haviam aperfeiçoado o sistema de pouso de modo a reduzir a área de pouso de Marte 2020 para uma área 50% menor do que a aterrissagem do curiosity da Nasa na cratera Gale em 2012. Isso permitiu a comunidade científica a considerar locais de pouso mais desafiadores. Os locais de maior interesse científico levaram a Nasa a adicionar um novo recurso chamado Terrain Relative Navigation (TRN), algo como Navegação Terrena Relativa em tradução livre. A TRN permitirá o estágio de descida “sky crane”, um sistema movido a foguete que transporta o veículo de expploração até a superfície, para evitar áreas perigosas.

A seleção do local depende de extensas análises e testes de verificação do recurso da TRN. Um relatório final será apresentado a um conselho de revisão independente e à sede da Nasa em 2019.

“Nada foi mais difícil na exploração planetária robótica do que aterrissar em Marte”, disse Zurbuchen. “A equipe de engenharia da Marte 2020 fez uma tremenda quantidade de trabalho para nos preparar para essa decisão. A equipe continuará seu trabalho para entender verdadeiramente o sistema da TRN e os riscos envolvidos, e analisaremos as descobertas de forma independente para assegurar que maximizamos nossas chances de sucesso. ”

A seleção antecipada de um local de pouso permite que os pilotos e a equipe de operações científicas otimizem seus planos para explorar a cratera Jezero quando o jipe de exploração estiver em segurança no solo. Usando dados da frota da Nasa de orbitadores de Marte, eles mapearão o terreno com mais detalhes e identificarão regiões de interesse – locais com as características geológicas mais interessantes, por exemplo – onde a Marte 2020 poderia coletar as melhores amostras científicas.

Leia Mais Nasa anuncia local de pouso de missão em Marte em 2020

Publicado em 19 de novembro de 2018 por

Leia Mais Cidade da Guatemala aciona alerta vermelho por erupção do Vulcão de Fogo

Publicado em 19 de novembro de 2018 por

Anúncio foi feito nesta segunda-feira (19) pelo Ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas, no Twitter. Grã-Bretanha e França também aderiram à sanção.

Jamal Khashoggi, jornalista crítico ao governo da Arábia Saudita — Foto: Mohammed al-Shaikh/AFPJamal Khashoggi, jornalista crítico ao governo da Arábia Saudita — Foto: Mohammed al-Shaikh/AFP

A Alemanha impôs proibições de viagem a 18 sauditas suspeitos de envolvimento no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi. As sanções foram impostas em conjunto com a Grã-Bretanha e a França, de acordo com anúncio feito nesta segunda (19) pelo Ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas, em sua conta no Twitter.

“No caso Khashoggi, ainda temos mais perguntas do que respostas. Tomamos uma decisão coordenada com a França e a Grã-Bretanha. A Alemanha iniciou procedimentos para impor proibições de entrada a 18 cidadãos sauditas possivelmente ligados ao crime”, diz o tuíte.

De acordo com a agência de notícias Reuters, uma porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do país afirmou que não poderia nomear os indivíduos, por causa das leis de privacidade da Alemanha.

Leia Mais Alemanha impõe proibições de viagem a 18 sauditas pelo assassinato de Khashoggi

Publicado em 4 de outubro de 2018 por

No início, os moradores desesperados foram autorizados pelas autoridades a levar comida das lojas já que a ajuda humanitária ainda não havia chegado à região, mas foi avisado que não seria mais permitido esse tipo de ação.

Militares indonésios distribuíram ajuda humanitária no aeroporto de Mutiara Sis Al-Jufri — Foto: Tatan Syuflana / AP PhotoMilitares indonésios distribuíram ajuda humanitária no aeroporto de Mutiara Sis Al-Jufri — Foto: Tatan Syuflana / AP Photo

Sete dias depois do tremor seguido de tsunami que atingiu a ilha de Sulawesi, na Indonésia, milhares de pessoas estão vivendo em acampamentos e sofrem com a lentidão na distribuição da ajuda humanitária. As autoridades reforçaram a segurança nas áreas afetadas e pelo menos 92 pessoas foram detidas por participar de saques.

Mais de 70 mil pessoas foram obrigadas a deixar suas casas na sexta-feira (28) depois do terremoto de 7,5 de magnitude e do tsunami, que destruíram as cidades costeiras. O número de mortes subiu nesta quinta-feira (4) para 1.424 mortes.

O Exército indonésio deslocou vários soldados para ficar na frente das lojas, caixas eletrônicos, postos de gasolina e aeroportos.

No início, os moradores desesperados foram autorizados pelas autoridades a levar comida das lojas já que a ajuda humanitária ainda não havia chegado à região, mas foi avisado que não seria mais permitido esse tipo de ação.

Na quarta-feira, em Palu, a cidade mais atingida pela tragédia, a polícia chegou a dar tiros de advertência e a usar gás lacrimogêneo para dispersar moradores que saqueavam lojas.

O porta-voz da polícia, Dedi Prasetyo, disse que as prisões foram feitas por causa de roubo de carros, motocicletas, cigarros, café e alimentos nas cidades de Palu, Sigi, Tolitoli e Donggala. Ele esclareceu que a manutenção da segurança é necessária para que seja retomada a atividade econômica na região.

Leia Mais Polícia prende 92 pessoas por saques após terremoto e tsunami na Indonésia

Publicado em 27 de setembro de 2018 por

Tara Fares, de 22 anos, levou três tiros. Ministério do Interior confirma morte da modelo e diz que crime será investigado.

missTara havia postado esta imagem há 4 dias no Instagram. — Foto: Reprodução/Instagram/Omar Moner

A modelo iraquiana Tara Fares, de 22 anos, foi vítima de uma emboscada e morta a tiros em Bagdá, segundo o Ministério do Interior do Iraque. De acordo com o comunicado oficial, o corpo da jovem chegou ao hospital por volta das 17h45 (horário local) desta quinta-feira (27), com ferimentos letais causados por três balas. O crime está sendo investigado.

Tara venceu o concurso Miss Bagdá em 2015. Ela fazia sucesso nas redes sociais – sua conta no Instagram tem mais de 2,6 milhões de seguidores.

Nesse perfil, inclusive, há uma publicação póstuma, com uma foto em preto e branco da modelo. Na legenda, um texto religioso pede para “Alá perdoá-la e concedê-la com Sua grande misericórdia”.

Publicado em 26 de setembro de 2018 por

O encontro de representantes das quinze nações costuma ser ensaiado e bastante protocolar, tudo o que o líder americano rejeita.

Trump na Assembleia Geral da ONU — Foto: Carlos Barria/ReutersTrump na Assembleia Geral da ONU — Foto: Carlos Barria/Reuters

Nesta quarta-feira (26), o presidente americano Donald Trump preside a reunião do grupo mais seleto da Organização das Nações Unidas, o Conselho de Segurança. A representante dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, já havia especulado na semana passada que a reunião seria a “mais assistida de todos os tempos” – e ela pode estar certa, mas não necessariamente pelas razões esperadas neste tipo de ocasião. O encontro de representantes das quinze nações costuma ser ensaiado e bastante protocolar, tudo o que o líder americano rejeita.

O clima é de tensão e muitas incertezas giram em torno da liderança do presidente Donald Trump no órgão mais exclusivo das Nações Unidas, responsável pela manutenção da paz e da segurança a nível mundial. Inicialmente, estava planejado que a reunião focaria nas violações ao direito internacional do Irã, mas decidiu-se abordar de maneira geral a proliferação de armas nucleares para evitar que seja estabelecido o direito de resposta do presidente iraniano, Hassan Rouhani.

Conselho de Segurança da ONU — Foto: AP Photo/Seth WenigConselho de Segurança da ONU — Foto: AP Photo/Seth Wenig

Ainda não se sabe ao certo se o presidente seguirá o plano, o que pode resultar em uma interação entre Trump e Rouhani. Ainda assim, é improvável que alguma decisão contra o Irã seja tomada no encontro. Os outros quatro membros permanentes do grupo, China, Rússia, Reino Unido e França, mantêm o acordo nuclear que firmaram em 2015 e do qual Trump retirou os Estados Unidos. O tratado suspendeu as sanções contra Teerã em troca de concessões no programa nuclear iraniano. Em todo caso, espera-se que Trump volte a atacar duramente o país.

Confronto com Bolívia

Outra possível interação que chama atenção é com o presidente da Bolívia, Evo Morales. O país iniciou uma participação de dois anos no Conselho de Segurança em 2017. Morales é um feroz crítico de Donald Trump e já chegou a dizer que o presidente americano tem problemas mentais e que tem preconceito contra latino-americanos. Durante os últimos 21 meses, a Bolívia usou seu assento no grupo para alfinetar os americanos sempre que teve oportunidade.

O foco de Trump mudou completamente do ano passado para este ano. Em 2017 as atenções de Trump estavam voltadas para a Coreia do Norte, quando o americano assegurou que Kim Jon-un era um “homem foguete” com uma “missão suicida” e ameaçou destruir o país. Um ano depois, nesta terça-feira (25), Trump elogiou a coragem do líder norte-coreano no processo de diálogo e ignorou evidências de que o país não se afastou do caminho nuclear.

‘Ditadura corrupta do Irã’

O americano focou no Irã. Ele afirmou que os líderes iranianos fazem parte de uma “ditadura corrupta” e buscam semear “caos, morte e destruição”. Trump lançou uma campanha de pressão econômica para impedir o acesso do Irã a fundos para desenvolvimento regional e pediu que as nações aliadas isolem as lideranças iranianas, enquanto ainda houver agressões. Em resposta, Rouhani afirmou que a “segurança internacional não é um brinquedo da política doméstica americana”. Outros líderes, como o francês Emmanuel Macron, adotaram tom mais conciliador e pediram a cooperação internacional.

O assunto da reunião desta quarta-feira foi escolhido pela Casa Branca. Em geral, o país que preside o Conselho é que escolhe a pauta do encontro. Essa será apenas a terceira vez na história que um presidente americano preside a sessão. O democrata Barack Obama presidiu as outras duas reuniões, em 2009 e 2014.

Leia Mais Com Donald Trump, Conselho de Segurança da ONU será imprevisível

Publicado em 19 de setembro de 2018 por

Fear’ teve 900 mil cópias vendidas apenas no dia de seu lançamento, e é o melhor início já registrado por sua editora. Livro escrito por jornalista que ajudou a revelar caso Watergate, que derrubou Nixon, já teve sua décima impressão encomendada.

Capa do livro ‘Fear: Trump in the White House’, de Bob Woodward — Foto: Simon & Schuster via APCapa do livro ‘Fear: Trump in the White House’, de Bob Woodward — Foto: Simon & Schuster via AP

O livro do célebre jornalista americano Bob Woodward sobre o governo Trump, “Fear” (Medo), vendeu mais de 1,1 milhão de exemplares em sua primeira semana nas livarias, o melhor início já registrado por sua editora Simon and Schuster.

A cifra inclui as vendas de livros impressos, audiolivros e livros digitais, informou a editora, filial do grupo de mídia CBS, em comunicado.

Somente no dia 11 de setembro, quando foi lançado o livro , “Fear” vendeu 900 mil exemplares.

Woodward, o jornalista do “Washington Post” que, junto com Carl Bernstein, ajudou a revelar o escândalo Watergate que derrubou o presidente Richard Nixon em 1974, teve um sucesso maior que o livro “Fire and Fury”, de Michael Wolff, também sobre o governo Trump e com mais de 1 milhão de cópias vendidas na primeira semana.

A editora anunciou que já providenciou a 10ª impressão do livro, o que elevará a quantidade de cópias impressas a 1,2 milhão.

Leia Mais Livro de Bob Woodward sobre Trump vende 1,1 milhão de cópias em uma semana

Publicado em 19 de setembro de 2018 por

Opulência exibida por presidente venezuelano contrasta com penúria enfrentada por seus conterrâneos.

Vídeo mostra o chef Salt Bae com Nicolás Maduro — Foto: Reprodução/Instagram/Nusr_etVídeo mostra o chef Salt Bae com Nicolás Maduro — Foto: Reprodução/Instagram/Nusr_et

Dois terços dos venezuelanos perderam em média 11 quilos no último ano, e a carne sumiu dos mercados, apesar do pacote econômico lançado recentemente pelo governo. Mas, em poucos minutos, a imagem do presidente Nicolás Maduro fartando-se com um churrasco servido pelo chef-celebridade Nusred Gokce em Istambul desmontou a sua tese, repetida exaustivamente em centenas de horas de discursos, de que o imperialismo norte-americano é principal o responsável pela penúria no país.

Com 16 milhões de seguidores no Instagram, o chef deletou o vídeo em que Maduro exibia seus hábitos opulentos, alternando o banquete com baforadas do melhor charuto cubano, retirado de uma caixa personalizada. Era tarde demais para conter a ira dos venezuelanos

A refeição nababesca de Maduro está na contramão da escassez de alimentos e remédios, que põe 87% da população na linha da pobreza, segundo pesquisa realizada por três universidades do país.

Com a maior reserva de petróleo do mundo, a Venezuela parou de produzir notícias boas e também índices oficiais. É um país em colapso, que oscila entre hiperinflação, desabastecimento e perseguição de opositores. No mês passado, o governo criou uma nova moeda, aumentou 35 vezes o salário mínimo e anunciou o corte de subsídios da gasolina. Mas as medidas se mostram ineficazes para reverter o cenário de ruína.

Consumidores examinam carne estragada, misturada à carne fresca, oferecida em Mercado em Maracaibo, na Venezuela, no dia 19 de agosto — Foto: AP Photo/Fernando LlanoConsumidores examinam carne estragada, misturada à carne fresca, oferecida em Mercado em Maracaibo, na Venezuela, no dia 19 de agosto — Foto: AP Photo/Fernando Llano

Num retrato estarrecedor da degradação do sistema de saúde, repórteres do “New York Times” testemunharam, num só dia, a morte de sete bebês. O relatório anual da revista científica “Lancet” revelou crescimento de 65% na mortalidade materna, de 30% na mortalidade infantil e surtos de doenças já erradicadas, como malária e sarampo.

Mais de 2,3 milhões fugiram desta realidade, em êxodo que a ONU compara ao fluxo de refugiados no Mediterrâneo em seu momento mais crítico. Sem opção, os que ficam fazem fila para comprar a carne estragada por frequentes apagões elétricos. Por isso, o banquete turco de Maduro provoca tanta indigestão em seus conterrâneos e deixa às claras o imperialismo chavista.

Leia Mais O indigesto banquete de Maduro

Publicado em 10 de setembro de 2018 por

Polícia não vê indício de terrorismo. Fonte diz que agressor é do Afeganistão.

 Jovens observam barreira montada pela polícia francesa após ataque a faca em Paris

A polícia da França prendeu um homem que feriu 7 pessoas com uma faca durante um ataque cometido no centro de Paris na noite de domingo, disseram fontes policiais e do Judiciário nesta segunda-feira (10), acrescentando não haver indicação inicial que ligue o incidente ao terrorismo.

O agressor, que uma fonte policial disse ser do Afeganistão, esfaqueou turistas e transeuntes no Bassin de la Villette, uma área popular adjacente a um canal no nordeste parisiense onde muitas pessoas se reúnem em noites de calor.

Entre os esfaqueados estavam dois turistas britânicos, segundo uma fonte judicial. Eles e dois outros continuam hospitalizados com ferimentos graves, embora não se acredite que corram risco de morte.

Testemunhas citadas pela mídia francesa disseram que um grupo de homens que jogava bocha atirou bolas de metal pesado usadas no jogo contra o agressor e que uma delas o atingiu na cabeça e o deteve.

Thierry, uma testemunha citada pela BFM TV, disse que depois um grupo de pessoas atacou o agressor.

“Alguém com um bastão de madeira o atingiu nos joelhos e ele caiu no chão”, disse. “Um monte de gente chegou, algumas diziam ‘matem-no’, mas um cara o segurava e dizia ‘não, a última coisa que temos que fazer é matá-lo'”.

Policiais e equipes de ambulâncias chegaram ao local pouco depois, disseram testemunhas, e o homem foi levado sob custódia.

Sem indício de terrorismo

Embora os motivos do ataque ainda sejam desconhecidos, uma fonte judicial disse que ele não parece semelhante a outros atentados cometidos por militantes muçulmanos em Paris nos últimos anos.

“A polícia não encontrou nenhum indício inicial de que o ataque teve ligação com o terrorismo”, disse a fonte. “Mas o escritório do procurador antiterrorismo está acompanhando o andamento da investigação atentamente”.

Paris sofreu vários ataques de militantes desde novembro de 2015, quando uma série de ataques coordenados de atiradores e homens-bomba islâmicos matou 129 pessoas na capital, uma ação planejada pelo Estado Islâmico e seus seguidores.

Leia Mais Homem é preso depois de ferir 7 pessoas com faca em Paris

Publicado em 4 de setembro de 2018 por

Locutora de 40 anos foi diagnosticada com câncer de mama em novembro de 2016 e, menos de dois anos depois, foi informada de que não teria como curar a doença.

Rachael Bland é apresentadora da BBC há mais de 15 anos (Foto: BBC)Rachael Bland é apresentadora da BBC há mais de 15 anos (Foto: BBC)

Ao receber a notícia de que morreria em pouco tempo, a apresentadora de rádio da BBC Rachel Bland decidiu se despedir do público nas redes sociais. A locutora de 40 anos foi diagnosticada com câncer de mama em novembro de 2016 e, menos de dois anos depois, foi informada de que não teria como curar a doença.

“Nas palavras do lendário Frank Sinatra, temo que o momento tenha chegado. E repentinamente”, tuitou Bland, na segunda. “Me disseram que tenho dias (de vida). É muito surreal. Muito obrigada a todos pelo apoio que tenho recebido.”

Bland, que vive em Cheshire, no Reino Unido, soube em maio que seu câncer era incurável e que sua última esperança era participar de um estudo clínico, que poderia lhe abrir possibilidade para um tratamento alternativo.

Em agosto, contudo, um exame mostrou que a doença havia entrado em fase metastática – ou seja, havia se espalhado pelo corpo.

O podcast que fala sobre câncer com franqueza e bom humor

Bland é apresentadora do podcast You, me and Big C (Eu, você e o Grande C, em que “C” significa câncer), juntamente com Deborah James e Lauran Mahon.

James e Mahon também passaram por tratamento contra o câncer. O podcast falava sobre a temida doença, a partir da experiência pessoal das apresentadoras, com franqueza e muito bom humor.

Em um dos capítulos, Bland lembrou o momento em que a chamaram em maio para dizer que o câncer não tinha cura.

Leia Mais Apresentadora da BBC anuncia nas redes sociais que tem poucos dias de vida após luta contra o câncer

Publicado em 30 de agosto de 2018 por

Luis, Mayckel e Pedro foram acolhidos pela Casa do Migrante, coordenada pela Missão Paz.

O engenheiro Luis Millan chegou no final de julho em São Paulo (Foto: Marcelo Brandt/G1)O engenheiro Luis Millan chegou no final de julho em São Paulo (Foto: Marcelo Brandt/G1)

Eles tinham uma vida de classe média na Venezuela, emprego, casa própria. Em um curto espaço de tempo, um engenheiro perdeu 30 quilos porque passou a ter uma refeição por dia, um confeiteiro se viu forçado a ter uma dieta a base de banana e mandioca, e um técnico em eletrônica também não conseguia nem emprego nem comida.

Os três, Luis Millan, Mayckel Rodriguez e Pedro Salazar, fizeram o mesmo percurso. Saíram da Venezuela pela fronteira com Roraima, passaram meses na capital Boa Vista, e chegaram a São Paulo pelo processo de interiorização, que é a distribuição dos imigrantes que entram por Roraima para outros estados, realizada pelo governo federal.

Uma estimativa divulgada nesta quarta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que cerca de 30,8 mil venezuelanos vivem no Brasil atualmente. Em 2015, eram cerca de mil.

Conheça a história dos venezuelanos:

O engenheiro elétrico Lucas Millan, de 27 anos, decidiu sair da Venezuela para buscar a irmã, a primeira a sair em busca de uma vida melhor no Brasil. Mais velha de cinco irmãos, a doutora em Educação relatava já ter dormido na rua no Rio de Janeiro. Ainda assim, no dia 19 de março, Lucas pegou um ônibus para atravessar a fronteira com Roraima e chegou a capital Boa Vista.

Leia Mais Venezuelano perde 30 kg com falta de comida em seu país, mora na rua em Roraima e tenta nova vida em SP

Publicado em 28 de agosto de 2018 por

Velório acontece nesta terça e nesta quarta-feira; enterro está marcado para sexta-feira. Ex-presidente Clinton vai ser orador, e devem cantar Chaka Khan, Jennifer Hudson, Ronald Isley e Stevie Wonder.

Fãs de Aretha Franklin formam fila nesta terça-feira (28) para o velório da cantora no Museu de História Afro-Americana Charles H. Wright, em Detroit, Michigan, Estados Unidos, August 28; cerimônia continua nesta quarta-feira (29) (Foto: Paul Sancya/REUTERS)Fãs de Aretha Franklin formam fila nesta terça-feira (28) para o velório da cantora no Museu de História Afro-Americana Charles H. Wright, em Detroit, Michigan, Estados Unidos, August 28; cerimônia continua nesta quarta-feira (29) (Foto: Paul Sancya/REUTERS)

Fãs da cantora Aretha Franklin prestam suas últimas homenagens à rainha do soul nesta terça-feira (28) no Museu de História Afro-Americana Charles H. Wright, em Detroit, Michigan, nos Estados Unidos. O corpo da artista deve ficar lá também nesta quarta-feira (29), e milhares de pessoas são esperadas. A cantora morreu em 16 de agosto, aos 76 anos de idade, em decorrência de um câncer de pâncreas em Detroit, onde havia iniciado sua carreira ainda menina cantando música gospel no coral de sua igreja.

Sua voz sublime e carregada de emoção se tornaria o padrão almejado por outros cantores.

A filha de pastor chegou ao topo das paradas pela primeira vez em 1967 com uma versão mais afirmativa de “Respect”, sucesso modesto de Otis Redding que se transformou em um hino duradouro do feminismo e do movimento de direitos civis. Chaka Khan, Jennifer Hudson, Ronald Isley e Stevie Wonder, entre outros, devem cantar em seu funeral, que será realizado no Templo Greater Grace, também em Detroit, na sexta-feira (31).

O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, que viu Aretha cantar na comemoração de sua posse em 1993, será um dos oradores da cerimônia. Aretha também cantou na posse do ex-presidente Barack Obama em 2009.

Aretha nasceu em Memphis, no Estado de Tennessee, mas se mudou para Detroit, em Michigan, na infância, quando a cidade se tornou um refúgio para negros norte-americanos fugindo das leis segregacionistas dos Estados do sul em meados do século 20.

O funeral será fechado ao público, mas as ruas do lado de fora do local devem ficar cheias de Cadillacs rosa. Aretha cantou sobre atravessar a cidade em um Cadillac rosa em “Freeway of Love”, sucesso de 1985 que lhe rendeu um de seus 18 prêmios Grammy.

Fãs de Aretha Franklin se despedem da cantora nesta terça-feira (28) no velório que acontece no Museu de História Afro-Americana Charles H. Wright, em Detroit, Michigan, Estados Unidos, August 28; cerimônia continua nesta quarta-feira (29) (Foto: Paul Sancya/REUTERS)Fãs de Aretha Franklin se despedem da cantora nesta terça-feira (28) no velório que acontece no Museu de História Afro-Americana Charles H. Wright, em Detroit, Michigan, Estados Unidos, August 28; cerimônia continua nesta quarta-feira (29) (Foto: Paul Sancya/REUTERS)
Fã de Aretha Franklin se emociona no velório da cantora nesta terça-feira (28) no Museu de História Afro-Americana Charles H. Wright, em Detroit, Michigan, Estados Unidos, August 28; cerimônia continua nesta quarta-feira (29) (Foto: Paul Sancya/REUTERS)Fã de Aretha Franklin se emociona no velório da cantora nesta terça-feira (28) no Museu de História Afro-Americana Charles H. Wright, em Detroit, Michigan, Estados Unidos, August 28; cerimônia continua nesta quarta-feira (29) (Foto: Paul Sancya/REUTERS)

Leia Mais Fãs de Aretha Franklin prestam homenagem à cantora antes de funeral em Detroit

Publicado em 27 de agosto de 2018 por

Animal foi encontrado no Pamet River, em Massachusetts, nos Estados Unidos. Organização Atlantic White Shark Conservancy denunciou crime nas redes sociais.

Tubarão branco é encontrado nos Estados Unidos. (Foto: Divulgação / Atlantic White Shark Conservancy)Tubarão branco é encontrado nos Estados Unidos. (Foto: Divulgação / Atlantic White Shark Conservancy)

Um tubarão-branco foi encontrado morto próximo à margem do Pamet River, em Massachusetts, nos Estados Unidos, nesta quinta-feira (24).

O animal chamou a atenção da “Atlantic White Shark Conservancy”, organização de proteção e estudo da espécie. Os ambientalistas questionaram a coloração avermelhada na cabeça e na parte inferior do corpo.

Após a necrópsia, realizada por cientistas da Divisão de Pesca Marinha de Massachusetts e da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, foram encontrados três pesos de chumbo dentro do tubarão macho de 2,7 metros de comprimento.

Segundo a Atlantic White Shark Conservancy, a causa da morte e da coloração não usual poderá ser conhecida após a análise das amostras recolhidas.

Leia Mais Tubarão-branco é encontrado morto com tonalidade avermelhada e três pesos de chumbo dentro do corpo

Publicado em 27 de agosto de 2018 por

Vaticano retira palavra ‘psiquiatria’ de transcrição da entrevista. Porta-voz diz que Papa ‘não tinha a intenção de dizer que se tratava de uma doença psiquiátrica’.

Papa Francisco dá entrevista a jornalistas em avião durante da Irlanda à Roma (Foto: Gregorio Borgia, Pool/AP Photo)Papa Francisco dá entrevista a jornalistas em avião durante da Irlanda à Roma (Foto: Gregorio Borgia, Pool/AP Photo)

Vaticano retirou, nesta segunda-feira (27), a referência à “psiquiatria” na declaração dada neste domingo pelo Papa Francisco, ao ser questionado sobre a homossexualidade, e um porta-voz disse que o sumo pontífice não quis abordar o tema como “uma doença psiquiátrica”.

No domingo, em entrevista coletiva no avião que levava Francisco da Irlanda de volta para Roma, o Papa argentino disse que os pais que observarem tendências homossexuais em seus filhos devem dialogar e dar espaço para que a criança possa se expressar.

Durante a entrevista, o Papa disse: “Uma coisa é quando se manifesta quando criança, quando há tantas coisas que podem ser feitas, por meio da psiquiatria, para ver como estão as coisas. Outra coisa é quando se manifesta depois dos 20 anos”.

Na transcrição da entrevista publicada nesta segunda pelo serviço de imprensa do Vaticano, a frase ficou: “Uma coisa é quando se manifesta quando criança, quando há tantas coisas que podem ser feitas, para ver como estão as coisas. Outra coisa é quando se manifesta depois dos 20 anos ou algo parecido”.

Um porta-voz do Vaticano explicou à agência France Presse que a palavra “psiquiatria” foi retirada do boletim “para não alterar o pensamento do papa”.

“Quando o Papa se refere à ‘psiquiatria’, é claro que ele faz isso como um exemplo que entra nas coisas diferentes que podem ser feitas”, explicou a mesma fonte.

“Mas, com essa palavra, ele não tinha a intenção de dizer que se tratava de uma doença psiquiátrica, mas que talvez fosse necessário ver como são as coisas no nível psicológico”, acrescentou o porta-voz.

Na mesma entrevista, o Papa disse que não comentaria as acusações do acerbispo de um ex-embaixador do Vaticano de que teria encoberto abusos sexuais.

Leia Mais Vaticano muda declaração do Papa sobre ajuda psiquiátrica a criança que dê sinal de ser gay

Publicado em 27 de agosto de 2018 por

Republicano havia anunciado recentemente decisão de não prosseguir com o tratamento de um tumor no cérebro. Ele foi prisioneiro por 5 anos durante a Guerra do Vietnã.

John McCain durante coletiva de imprensa no Capitólio em julho de ano passado (Foto: Aaron P. Bernstein/Reuters)John McCain durante coletiva de imprensa no Capitólio em julho de ano passado (Foto: Aaron P. Bernstein/Reuters)

Morreu neste sábado (25) o senador republicano John McCain, vítima de um tumor no cérebro. Ele tinha 81 anos e estava em sua casa, no Arizona, onde faleceu às 16h28, no horário local (20h28, no horário de Brasília), de acordo com um comunicado emitido pelo escritório do político. A doença foi tornada pública no ano passado, e em 24 de agosto deste ano sua família anunciou que o veterano político havia decidido não prosseguir com o tratamento.

McCain teve um papel proeminente na política americana. Concorreu à presidência em 2008, quando perdeu para Barack Obama, e vinha ultimamente sendo um crítico de Donald Trump, mesmo fazendo parte do mesmo partido.

Trajetória

John Sidney McCain III nasceu na Zona do Canal do Panamá em 29 de agosto de 1936. Filho e neto de almirantes da Marinha norte-americana, recebeu educação militar e se formou na Academia Naval dos Estados Unidos em 1958. No primeiro semestre de 1967, foi para a Guerra do Vietnã. Estava casado com a ex-modelo da Filadélfia Carol Shepp e já era pai.

Em outubro daquele ano, aos 31 anos, McCain estava em sua 23ª missão de bombardeios quando um míssil arrancou a asa direita de sua aeronave, derrubando seu jato A-4 Skyhawk em espiral. McCain foi ejetado e desmaiou, retomando a consciência a 5 metros de profundidade em um lago em Hanói.

John McCain, em 1973, conta como foi sua experiência como prisioneiro durante a Guerra do Vietnã (Foto: Library of Congress/Thomas J. O'Halloran/Handout via REUTERS)John McCain, em 1973, conta como foi sua experiência como prisioneiro durante a Guerra do Vietnã (Foto: Library of Congress/Thomas J. O’Halloran/Handout via REUTERS)

Leia Mais John McCain, senador e ex-candidato à Presidência dos EUA, morre aos 81 anos