Publicado em 22 de julho de 2016 por

A Polícia Federal continua as buscas por dois suspeitos. Ação ocorre a 15 dias dos Jogos Olímpicos e coloca em prática, pela primeira vez, a Lei Antiterrorismo.

20160722144232455176aInvestigados por suspeitas articular ataques terroristas no Brasil estão em um presídio federal em Campo Grande (MS). Foto: Valter Campanato/Agência Brasil.
Os dez investigados por suspeitas articular ataques terroristas no Brasil estão presos em um presídio federal em Campo Grande (MS). Segundo a Polícia Federal (PF), continuam as buscas por duas pessoas que têm mandados de prisão em aberto. De acordo com a investigação da Operação Hastag, os supostos terroristas se comunicavam via redes sociais e aplicativos de mensagens e chegaram a tramar a compra de armas, como um fuzil AK-47.

Leia Mais Presos em operação antiterror estão em presídio federal de Campo Grande

Publicado em 22 de julho de 2016 por

Polícia diz que ‘parece ser algo grande’; imprensa fala em mortos.
Ainda não há informação oficial sobre vítimas.

A polícia fechou a área em torno de um grande shopping de Munique, na Alemanha, depois que houve disparos de tiros no local, afirmou um porta-voz da polícia nesta sexta-feira (22) à Reuters. Não há detalhes sobre feridos ou sobre quem é o responsável, acrescentou.

Segundo usuários do Twitter, as pessoas que estavam no centro comercial OEZ (Olympia-Einkaufszentrum) corriam para buscar abrigo. Um usuário do Periscope está transmitindo ao vivo do local (veja o link).

Leia Mais Tiros são disparados em shopping de Munique, diz polícia

Publicado em 22 de julho de 2016 por

Polícia prendeu dez suspeitos de ‘atos preparatórios’ ligados a terrorismo.
Presídio de Campo Grande é federal e recebe presos de alta periculosidade.

aviaopfAvião da Polícia Federal que levou os presos para Campo Grande (Foto: Cláudia Gaigher/ TV Morena)

A Polícia Federal informou nesta sexta-feira (22) que os dez presos da Operação Hashtag foram levados para o presídio federal de Campo Grande. Leia Mais Presos em ação antiterror foram para presídio de Campo Grande, diz PF

Publicado em 22 de julho de 2016 por

monica-moura-depoe-a-pfMônica Moura, mulher do marqueteiro do PT, presta depoimento em Curitiba – Geraldo Bubniak/AGB

Diante do juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, a empresária Mônica Moura – esposa e sócia do publicitário João Santana, marqueteiro das campanhas de Lula e Dilma – confessou que US$ 4,5 milhões recebidos do operador de propinas Zwi Scornicki em conta no exterior eram referentes “a uma dívida de campanha que o PT ficou devendo prá gente na campanha de 2010”. Leia Mais ”Foi caixa 2 mesmo, excelência”, diz marqueteira a juiz da Lava Jato

Publicado em 13 de julho de 2016 por

Eles são acusados de homicídio culposo, quando não há intenção de matar.
Duas pessoas morreram no acidente, no dia 21 de abril, na Av. Niemeyer.

622_35286479-6dca-3dc0-b2da-00d314fce5f9

A Justiça do Rio aceitou nesta quarta-feira (13) a denúncia contra 14 pessoas que agora passam a ser acusada por duplo homicídio culposo na queda da Ciclovia Tim Maia, na Zona Sul do Rio de Janeiro. A informação foi confirmada com exclusividade ao repórter Marcelo Moreira (a reportagem completa vai ao ar no Bom Dia Rio desta quinta-feira). Leia Mais Justiça aceita denúncia contra 14 acusados por queda de ciclovia

Publicado em 13 de julho de 2016 por
Publicado em 12 de julho de 2016 por

Menina de um ano e nove meses deveria ter sido entregue à mãe no domingo.

20160712154841498597uPolícia pede ajudar à população para informações sobre o paradeiro de pai e filha.

O pai de uma bebê de um ano e nove meses descumpriu uma decisão judicial e desapareceu com a criança desde o último domingo. Segundo a mãe, Cláudia Rogéria Cavalcanti, Janderson Rodrigo Salgado de Alencar só podia passar o dia com a neném, mas ele não entregou a menina no horário previsto e não deu satisfações. A mãe procurou a polícia para denunciar. A Divisão de Desaparecidos do Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente já investiga o caso.
Leia Mais Pai desaparece com filha bebê descumprindo ordem judicial em Olinda

Publicado em 11 de julho de 2016 por

Todos deveriam usar equipamentos eletrônicos, que o estado não tem.
Empresa só volta a entregar quando dívida de R$ 2,8 milhões for quitada.

Desde dezembro de 2015, quando surgiram os primeiros sinais da crise financeira que assola o Rio de Janeiro, 902 pessoas acusadas de crimes, e que deveriam estar sob monitoramento, foram libertadas sem as tornozeleiras eletrônicas, que deixaram de ser entregues ao estado por falta de pagamento à empresa fornecedora. As informações são da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap). Leia Mais Sem tornozeleiras, mais de 900 pessoas voltam para as ruas no RJ