Publicado em 7 de dezembro de 2018 por

Marcos Henrique de Oliveira desceu do ônibus assim que viu o acidente. ‘Tira as crianças, tira as crianças, e quando chegou perto dele, ele não tinha mais pulso”, contou.

Motorista gritou para retirar crianças antes de morrer, diz jovem sobre escolar atingido por árvore em BHReprodução/TV Globo

“Tira as crianças, tira as crianças, e quando cheguei perto dele, ele não tinha mais pulso”, contou Marcos Henrique de Oliveira, de 22 anos, sobre o pedido feito, instantes antes de morrer, pelo motorista da van escolar atingida por uma árvore na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. O acidente ocorreu na noite desta quinta-feira (6) durante a tempestade que atingiu a capital mineira .

A vítima foi identificada como Ranur Pierre da Silva Carneiro. O corpo está no Instituto Médico Legal (IML) para exames. Ele deve ser enterrado neste sábado (8), no Cemitério da Paz, na Região Noroeste.

Oliveira contou que foi o primeiro a chegar perto da van após o acidente na Avenida Nossa Senhora do Carmo. Ele retornava do trabalho no ônibus 5106. Em seguida, equipes do Corpo de Bombeiros chegaram ao local.

“Eu estava dentro do ônibus e eu escutei o barulho e viu umas explosões. Olhei pela janela e vi as árvores caídas e os carros. Eu falei com o motorista que eu era socorrista de resgate, pedi para ele abrir a porta. Cheguei, olhei a situação. Escutei o barulho dos meninos gritando dentro da van, aí escutei o motorista gritando para eu tirar as crianças”, explicou. O jovem disse que tem formação em socorrista de resgate, mas não atua profissionalmente.

As cinco crianças foram retiradas. “Arrebentei o cinto de segurança [da que estava presa na frente] e tirei ela lá de dentro. Aí quando eu dei a volta, infelizmente o motorista já estava em óbito”, reafirmou. Ele acompanhou os trabalhos no local até por volta das 22h e amanheceu com o sentimento de tristeza. “Triste. Ainda estou tentando entender o que aconteceu”, disse.

O empresário Leonardo Meyer também contou que ajudou no resgate e que o motorista estava muito machucado. “Quando tentei conversar com o motorista, ele não respondia nada. Estava muito esmagado, porque a árvore caiu exatamente em cima dele”.

As crianças passam bem, segundo uma das famílias. “Eles não têm consciência do que infelizmente aconteceu com o motorista. Meu filho tá bem, tá ileso, nenhuma criança sofreu arranhão, nenhuma com semblante de que está em estado de choque, todas estão bem”, disse Arthur Brant.

No carro ao lado havia outras duas pessoas, que também foram retiradas. Foi preciso estourar o vidro.

Árvore cai sobre van na Avenida Nossa Senhora do Carmo, em BH, e motorista fica preso às ferragens — Foto: Danilo Girundi/TV GloboÁrvore cai sobre van na Avenida Nossa Senhora do Carmo, em BH, e motorista fica preso às ferragens — Foto: Danilo Girundi/TV Globo

A árvore que caiu era de grande porte e ficava na rotatória, no início da Rua Major Lopes. O motorista ficou preso às ferragens, e a árvore precisou ser cortada para o resgate do corpo. Os trabalhos demoraram cerca de três horas, pois a região estava energizada. A morte foi confirmada por volta das 21h40.

O tenente Sérgio Magalhães, do Corpo de Bombeiros, falou sobre as dificuldades do resgate. O acidente atingiu cabos de energia.

“A gente teve no início o acionamento apenas para uma árvore. Quando chegamos ao local é que a gente constatou que eram quatro árvores. A primeira árvore veio a puxar mais duas outras árvores e cair sobre uma quarta árvore. O nosso maior risco era retirar uma vítima que estava presa às ferragens. Somente após a atuação da Cemig é que o Corpo de Bombeiros teve condições de estar atuando”, explicou. Um quinto arbusto que apresentava risco de queda foi cortado.

Equipe dos bombeiros e da prefeitura trabalharam na remoção de árvores e veículos após temporal em BH — Foto: Reprodução/TV GloboEquipe dos bombeiros e da prefeitura trabalharam na remoção de árvores e veículos após temporal em BH — Foto: Reprodução/TV Globo
Carros foram atingidos por árvores na Savassi, em Belo Horizonte, durante temporal na noite de quinta-feira (6) — Foto: Reprodução/TV GloboCarros foram atingidos por árvores na Savassi, em Belo Horizonte, durante temporal na noite de quinta-feira (6) — Foto: Reprodução/TV Globo

Falta de luz

Ao menos quatro regiões de Belo Horizonte estão sem luz na manhã desta sexta-feira (7) após a chuva que atingiu a cidade na última noite. O número de consumidores afetados ainda não foi informado. A tempestade causou estragos na cidade e uma morte na Região Centro-Sul.

Segundo a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), alguns dos bairros mais afetados são Sion e Santa Efigênia, na Região Centro-Sul, e Caiçara, na Noroeste. Pampulha e Venda Nova também tem áreas com falta de luz.

Segundo a empresa, houve reforço no atendimento, mas a equipe não foi suficiente. A previsão é normalizar o fornecimento de luz ao longo do dia.

A empresa informou que durante o temporal houve a incidência de 175 raios. Os ventos foram fortes e, conforme o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), atingiram 76 km/h às 19h na Região Oeste e 55 km/h por volta das 20h na Região da Pampulha.

Em alguns bairros de Belo Horizonte, a chuva veio acompanhada de granizo.

Mais estragos

Uma árvore de grande porte foi arrancada pela raiz no bairro Santa Amélia, na Região da Pampulha. O tronco e a copa tomaram conta da calçada e parte da rua. Também houve queda de arbustos em outros pontos da cidade. A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil informou ao menos 12 ocorrências.

Árvore de grande porte cai durante tempestade no bairro Santa Amélia, na Região da Pampulha — Foto: Reprodução/TV GloboÁrvore de grande porte cai durante tempestade no bairro Santa Amélia, na Região da Pampulha — Foto: Reprodução/TV Globo

Equipes do Corpo de Bombeiros e da Prefeitura de Belo Horizonte estão nas ruas, assim como técnicos da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), que reparam fiações danificadas.

Também houve danos em ruas dos bairros Sion e Anchieta, onde ocorreram outras quedas, que levaram ao corte da luz e desligamento de semáforos. Na manhã desta sexta-feira (7), havia interdições na Av. Nossa Senhora do Carmo, ruas Major Lopes e Uruguai. Por volta das 7h15, foi parcialmente liberado.

O vento forte gerou outros prejuízos. Um galpão foi destelhado na Rua Mário de Melo, no bairro Alípio de Melo, na Região da Pampulha. A cobertura foi arrancada e atingiu parte da via, que foi parcialmente fechada. Já no bairro Castelo, o toldo da garagem de um condomínio não resistiu à força dos ventos.

Ainda na última noite, dois carros foram atingidos na Avenida Getúlio Vargas, na Savassi, na mesma região. A Avenida Afonso Pena foi fechada na altura da Praça da Milton Campos, no sentido Mangabeiras. Outra árvore caiu e atingiu carros em frente a um shopping, no centro. No bairro Floresta e Santa Teresa, a situação foi semelhante.

Leia Mais Motorista gritou para retirar crianças antes de morrer, diz jovem sobre escolar atingido por árvore em BH

Publicado em 5 de dezembro de 2018 por

Número passou de 52,8 milhões em 2016 para 54,8 milhões em 2017, um crescimento de quase 4%. Já pobreza extrema aumentou 13%, passando a atingir 15,3 milhões.

Pesquisa do IBGE mostrou que todas as faixas de pobreza tiveram aumento no Brasil na passagem de 2016 para 2017 — Foto: Fernando Frazão/Agência BrasilPesquisa do IBGE mostrou que todas as faixas de pobreza tiveram aumento no Brasil na passagem de 2016 para 2017 — Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Em apenas um ano, o Brasil passou a ter quase 2 milhões de pessoas a mais vivendo em situação de pobreza. A pobreza extrema também cresceu em patamar semelhante. É o que mostra a Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada nesta quarta-feira (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a pesquisa, em 2016 havia no país 52,8 milhões de pessoas em situação de pobreza no país. Este contingente aumentou para 54,8 milhões em 2017, um crescimento de quase 4%, e representa 26,5% da população (em 2016, eram 25,7%).

Já a população na condição de pobreza extrema aumentou em 13%, saltando de 13,5 milhões para 15,3 milhões no mesmo período. Do total de 207 milhões de brasileiros, 7,4% estavam abaixo da linha de extrema pobreza em 2017. Em 2016, quando a população era estimada em cerca de 205,3 milhões, esse percentual era de 6,6%.

Segundo o IBGE, é considerada em situação de extrema pobreza quem dispõe de menos de US$ 1,90 por dia, o que equivale a aproximadamente R$ 140 por mês. Já a linha de pobreza é de rendimento inferior a US$ 5,5 por dia, o que corresponde a cerca de R$ 406 por mês. Essas linhas foram definidas pelo Banco Mundial para acompanhar a pobreza global.

Segundo o IBGE, o rendimento médio mensal domiciliar per capita (a soma das rendas de todos os moradores do domicílio, dividida pelo número de pessoas) obtidas no país foi de R$ 1.511 em 2017.

Aumenta a pobreza no Brail — Foto: Infografia: Juliane Monteiro/ G1Aumenta a pobreza no Brail — Foto: Infografia: Juliane Monteiro/ G1

Distribuição da pobreza

Dos estimados 54,8 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza, mais de 25 milhões estão nos estados do Nordeste. Nessa região, 44,8% da população estava em situação de pobreza em 2017.

Já na região Sul viviam 3,8 milhões de pessoas em situção de pobreza – o equivalente a 12,8% dos quase 30 milhões de habitantes dos três estados. No Sudeste, eram 15,2 milhões de pessoas, o equivalente a 17,4% da população total da região.

“O crescimento do percentual de pessoas abaixo dessa linha [de pobreza extrema] aumentou em todas as regiões, com exceção da Região Norte, onde se manteve estável”, destacou o IBGE.

Entre os estados, o Maranhão registrou a maior proporção de pobres, segundo o IBGE. No estado, mais da metade da população está abaixo da linha da pobreza. Acre, Amazonas, Pará, Amapá, Piauí, Ceará, Alagoas e Bahia tinham quase metade da população pobre também.

Já Santa Catarina aparece com o menor percentual de pobres – 8,5% de sua população estava abaixo da linha de pobreza. Em todas as demais Unidades da Federação este percentual ficou acima de 13%.

26,9 milhões vivem com menos de ¼ do salário mínimo

O levantamento mostra também que em 2017 havia no país 26,9 milhões de pessoas vivendo com menos de ¼ do salário mínimo, o que equivale a R$ 234,25, já que o salário mínimo era de R$ 937 naquele ano. Este contingente aumentou em mais de 1 milhão de pessoas na comparação com o ano anterior. Em 2016, eram 25,9 milhões de brasileiros nesta condição.

No mesmo período aumentou em 1,5 milhão o número de brasileiros com renda domiciliar per capita inferior a R$ 85 por mês. Em 2016 eram 8,2 milhões de pessoas nesta condição, contingente que saltou para 9,7 milhões em 2017 – um aumento de 18,3%.

“A pobreza teve uma mudança significativa neste período. Todas as faixas de rendimento usadas para classificar a pobreza tiveram aumento”, enfatizou o analista da Coordenação de População e Indicadores Sociais do IBGE, Leonardo Athias.

Dentre os motivos que levaram ao aumento da pobreza no Brasil, Athias destaca a crise no mercado de trabalho, com aumento do desemprego e da informalidade, a recessão econômica intensa dos dois anos anteriores, além do corte de investimentos no Bolsa Família, programa de transferência de renda voltado justamente para as classes mais pobres.

“Quem já era pobre ficou mais pobre. Mas teve gente que ficou pobre e não o era antes”, disse o pesquisador.

Pretos ou pardos são a maioria entre os mais pobres

A desigualdade de renda permanece alta, mas os números do IBGE mostram uma leve redução do abismo entre os rendimentos de brancos e pretos.

Por faixa de renda, os pretos ou pardos representavam, em 2017, 75,2% das pessoas com os 10% menores rendimentos, contra 75,4% em 2016. Na classe dos 10% com os maiores rendimentos a participação de pretos ou pardos, por sua vez, aumentou: de 24,7% em 2016, para 26,3% em 2017.

R$ 10,2 bilhões por mês para eliminar a pobreza no Brasil

O IBGE enfatizou que “a erradicação da pobreza é um dos temas centrais da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável” e que “figura há anos nos esforços analíticos e de políticas públicas no Brasil”. Diante disso, a pesquisa apontou que para o país eliminar a pobreza extrema precisaria investir, por mês, cerca de R$ 1,2 bilhão. Já com R$ 10,2 bilhões mensais seria possível erradicar toda a pobreza do país.

“Estes valores não consideram os custos operacionais para fazer a aplicação destes recursos, ou seja, para se transferir estes valores para cada pessoa de maneira efetiva”, ressalvou o pesquisador Leonardo Athias.

Athias destacou que a pesquisa traz o rendimento médio de cada parcela da população. Assim, quando se diz que R$ 10,2 bilhões mensais eliminariam a pobreza, não significa que este valor teria de ser dividido igualmente entre os 54,8 milhões de pobres do país.

“Uns teriam que receber mais, outros menos, para que todos ultrapassarem a linha de pobreza”, enfatizou o pesquisador.

Todavia, foi construído um indicador que aponta a média de rendimento necessário para que a população pobre ascendesse de nível sócio econômico. Este indicador é chamado de “hiato da pobreza” que “mede a que distância os indivíduos estão abaixo da linha de pobreza”.

Assim, constatou-se que, em média, as pessoas vivendo em situação de extrema pobreza precisariam de apenas R$ 77 para chegar à linha da pobreza. Já as pessoas classificadas como pobres tinham R$ 187 a menos que o necessário para ultrapassar a faixa que os classificam em situação de pobreza.

O pesquisador Leonardo Athias destacou que para erradicar a pobreza “não precisa ser só através de investimento público, de programas de transferência de renda [como o Bolsa Família]”. Segundo ele, outros mecanismos, até mesmo da iniciativa privada, poderiam contribuir para melhorar a distribuição de renda.

“Com a melhoria nas condições do mercado de trabalho, você conseguiria fazer a alocação perfeita e você não teria efeito inflacionário”, disse.

Desigualdade segue em alta

A pesquisa divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE mostrou ainda o quão desigual permanece a distribuição de renda no Brasil. Na média nacional, os 10% mais ricos chegam a receber 17,6 vezes mais que os mais pobres. Na divisão por capitais, essa diferença chega a 34,3 vezes – patamar alcançado por Salvador.

“No Brasil você tem pobreza e desigualdade. Se você tem desigualdade mas todo mundo é rico, tudo bem. A gravidade é a distância entre quem está na base da pirâmide daqueles que estão no topo”, disse o pesquisador do IBGE Leonardo Athias.

De acordo com o levantamento, o grupo dos 10% com os maiores rendimentos concentrava 43,1% de toda a massa rendimento, que é a soma de toda a renda do país. Já o grupo dos 40% com os menores rendimentos detiveram apenas 12,3% da massa.

IBGE mostra a diferença do rendimento médio dos 10% mais ricos na comparação com o dos 40% mais pobres no Brasil — Foto: Fernanda Garrafiel/G1IBGE mostra a diferença do rendimento médio dos 10% mais ricos na comparação com o dos 40% mais pobres no Brasil — Foto: Fernanda Garrafiel/G1

Leia Mais Em 1 ano, aumenta em quase 2 milhões número de brasileiros em situação de pobreza, diz IBGE

Publicado em 16 de novembro de 2018 por

Anna Luísa Fernandes de Paiva Maria, de 16 anos, foi levada pela correnteza ao sair do carro em que estava com o namorado.

Jovem desaparece em enxurrada em BH — Foto: Reprodução/TV GloboJovem desaparece em enxurrada em BH — Foto: Reprodução/TV Globo

O corpo de Anna Luísa Fernandes de Paiva Maria, de 16 anos, foi encontrado no início da tarde desta sexta-feira (16). Ela havia desaparecido na Rua Doutor Álvaro Camargos, no bairro São João Batista, em Venda Nova, durante uma enxurrada provocada pelo temporal que atingiu Belo Horizonte na noite desta quinta (15). Durante a tempestade, também morreram mãe e filha, afogadas dentro do carro. As duas estavam abraçadas tinham um terço na mãoquando foram encontradas.

No local onde o corpo de Anna foi encontrado, a água chegou a atingir uma altura de quase dois metros nesta noite. Segundo o tenente Pedro Aihara, a garota e o namorado estavam em um carro no momento da chuva, quando a roda dianteira bateu na abertura da galeria, que havia perdido a tampa exatamente pela força da correnteza. Quando saíram do carro, o namorado foi por um lado, e a jovem, ao sair pelo outro, não viu a galeria aberta e acabou sendo levada.

“A gente visualizou essa situação, a gente estava se aproximando desse veículo que estava nessa situação, só que, infelizmente, pela força e pelo volume de água a garota foi sugada pelo bueiro antes que a gente pudesse fazer o resgate com segurança”, explicou o tenente.

 De acordo com o Corpo de Bombeiros, o corpo foi encontrado na Rua Gaivotas, na altura do bairro Xodó Marize, na Região Norte da cidade, a três quilômetros do local em que Anna desapareceu.
O corpo de Anna Luisa foi encontrado em um córrego perto da Rua Gaivotas, Região Norte de BH. — Foto: Corpo de Bombeiros/DivulgaçãoO corpo de Anna Luisa foi encontrado em um córrego perto da Rua Gaivotas, Região Norte de BH. — Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

Desespero dos pais

Pouco antes de o corpo de Anna ser encontrado, os pais da garora falaram:

“A nossa filha única, 16 anos, estudiosa, boa filha, obediente. Um tesouro nosso foi para água”, disse, chorando, Elias Fernandes Paiva, pai da jovem.

A mãe lembrou que tinha alertado a filha sobre o temporal. “Ela disse que já estava voltando para casa e aí eu mandei a segunda mensagem falando que, mesmo que a chuva passasse, era para ela esperar um pouco porque, com certeza, as ruas estavam cheias de água. Mas aí ela não respondeu mais, já eram 7h45 [19h45]”, relembrou Anna Maria.

Pessoas se arriscam ao tentar atravessar a Avenida Vilarinho, em Belo Horizonte — Foto: Lucas Franco/TV GloboPessoas se arriscam ao tentar atravessar a Avenida Vilarinho, em Belo Horizonte — Foto: Lucas Franco/TV Globo

Kalil assume responsabilidade por mortes

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), disse nesta manhã que a responsabilidade pelas mortes é dele.

“Então o que eu volto a repetir para a população de Belo Horizonte é o seguinte: ‘A responsabilidade é do prefeito. Ele é o culpado por tudo que aconteceu aqui’”, disse.

Ainda de acordo com Kalil, as obras necessárias para evitar alagamento e inundações na Avenida Vilarinho, na Região de Venda Nova, serão feitas.

Leia Mais Corpo de jovem que desapareceu durante chuva em BH é encontrado

Publicado em 17 de outubro de 2018 por

Resgate aconteceu no Canal do Porto de Santos, em Guarujá, no litoral paulista. ‘Kiko’, de 13 anos, não sofreu nenhum ferimento.

Cão é resgatado do mar em Guarujá, SP — Foto: ReproduçãoCão é resgatado do mar em Guarujá, SP — Foto: Reprodução

Um cachorro foi resgatado de dentro do Canal do Porto de Santos, no litoral paulista, horas depois de fugir de casa. Ele acabou caindo no mar após, sem rumo, invadir o terminal da travessia de passageiros entre Santos e Guarujá. O registro da ação foi obtido na manhã desta quarta-feira (17). Ninguém se feriu durante o resgate do animal.

O acidente ocorreu no último fim de semana. Voltando do trabalho, o garçom Paulo Roberto, de 28 anos, viu uma movimentação estranha no mar. Ele estava na barca, ao lado de outros passageiros, quando percebeu que o cachorro, identificado como ‘Kiko’, se afogava. “Quando olhei, já o vi na água. As pessoas o chamavam, tentando atrair, mas ele não saía do lugar”, explica.

O cachorro estava a cerca de dez metros do atracadouro. Ao chegar no Ferry Boat, Roberto pulou no mar. “Funcionários da barquinha me disseram para não pular, mas fui o primeiro a tomar a iniciativa. Eu não ia deixá-lo se afogar”, explica. Em menos de cinco minutos, o garçom conseguiu alcançá-lo e levá-lo de volta para terra firme, ato assistido por outros passageiros da embarcação.

Enquanto isso, os proprietários do cãozinho estavam aflitos. Jaqueline Cardoso, de 25 anos, já havia publicado nas redes sociais o sumiço do animal de estimação, que fugiu no momento em que o pai abriu o portão para lavar o carro. “Achamos que ele saiu na tentativa de procurar minha mãe, que está viajando, pois ele nunca foi de fazer isso”, explica.

Aos 13 anos, com pouca audição e catarata, Kiko foi resgatado no Canal do Porto de Santos — Foto: Jaqueline Cardoso/Arquivo PessoalAos 13 anos, com pouca audição e catarata, Kiko foi resgatado no Canal do Porto de Santos — Foto: Jaqueline Cardoso/Arquivo Pessoal

Moradora do bairro Santo Antônio, ela ficou surpresa ao receber o vídeo do resgate no Ferry Boat, que fica a pouco mais de dois quilômetros de distância da casa. “Tomei um susto, não esperava que ele tivesse ido tão longe, e nem caído no mar. Fui com o meu pai até o terminal, mas, algumas ruas antes, já o encontramos e recuperamos”, conta.

Aos 13 anos, ‘Kiko’ já não ouve direito e enxerga mal, devido a uma catarata. Apesar do susto, tê-lo de volta foi um alívio. “Nos preocupamos bastante, mas fiquei muito alivada e grata pelo que o rapaz fez. Se ele não tivesse tomado aquela atitude, muito provavelmente o ‘Kiko’ teria se afogado”, diz Jaqueline.

Já para Roberto, que sequer imaginava a repercussão que o salvamento teria, o ato foi instintivo e, em nenhum momento, ele pensou que poderia ter alguma coisa em troca. “Não me sinto herói. Para mim, foi normal. Já atuei como guarda-vidas, e ele foi só mais uma que salvei, como tantas outras vidas. Fico feliz que tenha dado certo”, finaliza.

Aos 13 anos, com pouca audição e catarata, Kiko foi resgatado no Canal do Porto de Santos — Foto: Jaqueline Cardoso/Arquivo PessoalAos 13 anos, com pouca audição e catarata, Kiko foi resgatado no Canal do Porto de Santos — Foto: Jaqueline Cardoso/Arquivo Pessoal

Leia Mais Homem se arrisca e pula no mar para salvar cão de afogamento em SP

Publicado em 19 de setembro de 2018 por

Roedores podem transmitir, por meio da urina, a leptospirose. Animais são atraídos pelo acúmulo de lixo, outro problema recorrente no Hospital Regional de Araguaína.

Rato adulto carregava filhote na boca — Foto: DivulgaçãoRato adulto carregava filhote na boca — Foto: Divulgação

Imagens de ratos no Hospital Regional de Araguaína deixaram pacientes e moradores da cidade preocupados. A suspeita é de que os roedores foram atraídos pelo lixo deixado no local. O responsável pelo setor de Vigilância em Saúde e Segurança do Hospital de Doenças Tropicais em Araguaína, Jader José Silva, disse que a presença dos roedores em ambiente hospitalar gera riscos e pode provocar doenças graves. 

“A urina do rato provoca uma doença grave chamada leptospirose. Se as pessoas circulam onde têm ratos, a mão pode entrar em contato com o solo, isso pode ser absorvido pela pele e a pessoa pode desenvolver essa doença grave. Pode contaminar material, alimentos, água. Para uma área hospitalar, isso é muito grave”, explicou.

As fotos divulgadas nesta terça-feira (18) foram enviadas por acompanhantes de pacientes. “Quando ligou a luz, eles se espantaram e correu uma manada de rato. Muito rato mesmo. Eu contei mais de 10 ratos correndo”, disse um paciente da unidade.

Jader José disse que o acúmulo de lixo atrai os animais. O problema é frequente no hospital. Em junho desse ano, o G1 publicou vídeo e fotos que mostraram pacientes ao lado de sacolas de lixo acumuladas nos corredores. Do lado de fora da unidade, foi registrada uma pilha gigante de lixo, que não estava sendo recolhido há dias.

“Onde tiver roedores, baratas, insetos, seja o que for, em contato com o lixo hospitalar, principalmente, vai disseminar isso para o hospital. Se as pessoas têm contato com esse lixo, elas vão levar isso nas suas sandálias, sapatos para dentro do hospital. A disseminação acaba acontecendo muito mais rápida. Isso pode provocar muitos danos ao hospital, não só financeiro. O paciente vai passar muito mais tempo para se recuperar e pode levar à morte”.

A Secretaria Estadual da Saúde disse que vai convocar as empresas que prestam o serviço para uma ação emergencial de limpeza e que o serviço de combate à praga é feito normalmente nos hospitais do estado.

Leia Mais Ratos em hospital preocupam e especialista alerta para o risco de transmissão de doença

Publicado em 19 de setembro de 2018 por

Minutos antes, Globocop mostrou criminosos com fuzis em base numa das principais avenidas da comunidade. Polícia está no local.

Motoristas tentam voltar pela contramão na Linha Amarela, no Rio de Janeiro — Foto: Reprodução/ TV GloboMotoristas tentam voltar pela contramão na Linha Amarela, no Rio de Janeiro — Foto: Reprodução/ TV Globo

Confronto entre policiais e criminosos da Cidade de Deus parou a Linha Amarela, uma das principais vias expressas do Rio, na manhã desta quarta-feira. Diante do barulho de tiros, motoristas deram ré e voltaram na contramão da via. O trânsito na região estava mais pesado que o normal porque outra operação interditava, na hora, a Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá.

As duas vias são as principais ligações da Zona Oeste do Rio ao Centro da cidade.

O tumulto na Linha Amarela começou por volta das 7h, quando policiais do 18º BPM, em patrulhamento de rotina, foram atacados a tiros por criminosos. Houve confronto, ainda sem registro de feridos.

Diante do tiroteio, veículos no sentido Ilha do Fundão pararam na altura da Estrada do Gabinal. Alguns manobraram na pista, e uma fila de carros começou a avançar na contramão, furando o trânsito.

Às 7h30, não havia mais retenção no ponto do confronto, mas carros continuavam avançando na contramão.

Às 7h45, havia congestionamento na Linha Amarela, sentido Fundão, entre a Av. Ayrton Senna e o Túnel da Covanca. As estradas do Pau-Ferro, do Tindiba e dos Três Rios, a Av. Geremário Dantas e a Rua Araguaia também apresentavam lentidão.

Motoristas voltam na contramão na Linha Amarela, na Zona Oeste do Rio — Foto: Reprodução/ TV GloboMotoristas voltam na contramão na Linha Amarela, na Zona Oeste do Rio — Foto: Reprodução/ TV Globo

Minutos antes, imagens feitas pelo Globocop mostraram criminosos com fuzis em uma base na Avenida Cidade de Deus, uma das principais do bairro.

Globocop flagrou homem com fuzil em ponto de venda de drogas na Cidade de Deus — Foto: Reprodução/ TV GloboGlobocop flagrou homem com fuzil em ponto de venda de drogas na Cidade de Deus — Foto: Reprodução/ TV

Leia Mais Tiroteio na Cidade de Deus assusta motoristas, e carros voltam na contramão na Linha Amarela

Publicado em 3 de setembro de 2018 por

Ainda não há informações sobre as causas do fogo; ninguém se feriu, mas a maior parte do acervo foi destruída. Instituição tem 200 anos de história e foi residência de um rei e dois imperadores.

Foto mostra a tentativa de conter o incêndio no Museu Nacional no Rio de Janeiro (Foto: Reuters/Ricardo Moraes)Foto mostra a tentativa de conter o incêndio no Museu Nacional no Rio de Janeiro (Foto: Reuters/Ricardo Moraes)

Um incêndio de grandes proporções destruiu o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, Zona Norte do Rio. O fogo começou por volta das 19h30 deste domingo (2) e foi controlado no fim da madrugada desta segunda-feira (3). Mas pequenos focos de fogo seguiam queimando partes das instalações da instituição que completou 200 anos em 2018 e já foi residência de um rei e dois imperadores.

A maior parte do acervo, de cerca de 20 milhões de itens, foi totalmente destruída. Fósseis, múmias, registros históricos e obras de arte viraram cinzas. Pedaços de documentos queimados foram parar em vários bairros da cidade. Segundo a assessoria de imprensa do museu e o Corpo de Bombeiros, não há feridos. Apenas quatro vigilantes estavam no local, mas eles conseguiram sair a tempo.

As causas do fogo, que começou após o fechamento para a visitantes, serão investigadas. A Polícia Civil abriu inquérito e repassará o caso para que seja conduzido pela Delegacia de Repressão a Crimes de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico, da Polícia Federal, que irá apurar se o incêndio foi criminoso ou não.

Leia Mais Incêndio de grandes proporções destrói o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista

Publicado em 31 de agosto de 2018 por

momo-og

Duas adolescentes de 13 e 14 anos foram internadas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Boa Vista, em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, supostamente após participarem do desafio da Boneca Momo.
Segundo a mãe de uma das vítimas, as adolescentes estavam com vários cortes nos pulsos e no ombro. A mãe de uma delas relatou que a filha utilizava casacos de mangas longas e que não percebeu comportamentos estranhos.

As famílias encontraram mensagens e vídeos trocados nos celulares das jovens, que apontavam a participação delas no desafio. Elas chegaram a desmaiar na sala da escola em que estudam, que faz parte da rede municipal da cidade.
De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde, as adolescentes foram atendidas após ingerirem uma grande quantidade do medicamento diazepam. A pasta informou ainda que está dando toda assistência às adolescentes, que serão encaminhadas à Unidade Infanto-Juvenil para acompanhamento psicológico. As jovens passaram por uma lavagem estomacal e devem receber alta ainda nesta sexta-feira (31).

Desafio da Boneca Momo

Semelhante ao desafio da Baleia azul, o jogo da Boneca Momo consiste em diversos desafios que levam crianças e adolescentes a se auto mutilarem e até cometerem suicídio. O “tutor” do desafio fazia exigências a partir da construção de terror psicológico, chamando as adolescentes de “fracas”.

Leia Mais Adolescentes são internadas após participarem do desafio da Boneca Momo em Caruaru

Publicado em 28 de agosto de 2018 por

Voo decolou de Boa Vista por volta das 10h40 desta terça-feira (28).

Venezuelanos embarcam em avião da FAB rumo a outros três estados no 7º voo de interiorização (Foto: Alan Chaves/G1 RR)Venezuelanos embarcam em avião da FAB rumo a outros três estados no 7º voo de interiorização (Foto: Alan Chaves/G1 RR)

m avião da Força Aérea Brasileira (FAB) levou nesta terça-feira (28) mais 187 venezuelanos de Roraima a outros três estados: Amazonas, Paraíba e São Paulo.

A ação ocorre dez dias após o último episódio de violênciaenvolvendo brasileiros e venezuelanos na cidade de Pacaraima, na fronteira com o país vizinho.

O embarque foi no Aeroporto Internacional de Boa Vista e o voo decolou por volta das 10h40 (hora de Brasília). Os refugiados irão para as cidades de Manaus (65), São Paulo (53) e João Pessoa (69). Lá eles irão ficar em abrigos, onde podem morar por até três meses.

Os venezuelanos que aceitaram participar da interiorização foram vacinados, submetidos a exame de saúde e regularizados no Brasil com CPF e Carteira de Trabalho, informou a Casa Civil.

Este já é o sétimo voo da FAB que leva venezuelanos para outros estados. Com isso, o número de pessoas levadas no processo de interiorização, que começou em abril, ultrapassa 1 mil. Até então eram 820. Não há dados que comprovem quantos venezuelanos saíram de RR por conta própria.

Leia Mais Mais 187 venezuelanos são transferidos de Roraima a outros 3 estados

Publicado em 27 de agosto de 2018 por

Elas relataram que tentaram chamar operador, mas ele não as ouviu. Mariane e Tatiele teriam dado as mãos com medo de cair.

Mariane, Talia, Tatiele e Isabela se feriram em acidente com brinquedo em parque de diversões de Ceres (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)Mariane, Talia, Tatiele e Isabela se feriram em acidente com brinquedo em parque de diversões de Ceres (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)

Duas das quatro adolescentes que se feriram após serem arremessadas do brinquedo Surf em um parque de diversões em Ceres, na região central do estado, disseram às mães que não sentiram a barra de segurança travada depois que o brinquedo começou a funcionar. Segundo relato de Tatiele Carvalho Evangelista e Mariane Oliveira Dias, ambas de 16 anos, elas deram as mãos uma para a outra e sentiram medo.

G1 tentou contato, por telefone, com o responsável pelo parque, mas as ligações feitas entre 20h40 e 21h10 de domingo, e às 5h50 desta segunda-feira (27) não foram atendidas. Uma equipe da TV Anhanguera apurou que, segundo os administradores, o parque possui todos os alvarás de funcionamento, o brinquedo tem um ano de uso e recebe manutenção diária.

“Ela [Tatiele] disse que desde que entrou no brinquedo com a Mariane e mais duas adolescentes a barra desceu, mas não travou. Ela percebeu que não tinha travado. Gritaram que estava solto, mas o operador não escutava. Seguraram na barra e sentiram que estava caindo. Ela disse que pediu para o colega segurar forte na barra para não deixar a barra sair”, contou a empresária e mãe de Tatiele, Tatiane Agnes de Carvalho Evangelista, de 36 anos.

Quatro adolescente ficaram feridas ao serem lançadas de brinquedo em parque em GoiásQuatro adolescente ficaram feridas ao serem lançadas de brinquedo em parque em Goiás

Leia Mais Duas adolescentes arremessadas de brinquedo em Ceres não sentiram barra de segurança travar, dizem mães

Publicado em 27 de agosto de 2018 por

Mulheres de 23 e 19 anos foram mortas a tiros. Corpos foram encontrados na zona rural do município na manhã deste sábado (25).

Keylla (à esquerda) e Marcela (à esquerda) foram encontradas mortas em engenho na zona rural de Ipojuca (Foto: Reprodução/Internet)Keylla (à esquerda) e Marcela (à direita) foram encontradas mortas em engenho na zona rural de Ipojuca (Foto: Reprodução/Internet)

Duas jovens foram encontradas mortas na zona rural do município de Ipojuca, no Grande Recife, na manhã deste sábado (25). Segundo a Polícia Civil, os corpos de Marcela Maria da Silva, de 19 anos, e Keyla Márcia de Araújo França, de 23 anos, estavam na PE-042, em uma localidade conhecida como Engenho Maranhão, no distrito de Nossa Senhora do Ó

As vítimas foram mortas a tiros. Testemunhas informaram que, na sexta-feira (24), um carro entrou no engenho e, logo em seguida, disparos de arma de fogo foram ouvidos. O caso é investigado pelo delegado Jorge Ferreira, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil.

Durante a tarde, as famílias das duas jovens foram ao Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro, no Centro do Recife. Os parentes delas disseram que as jovens foram vistas pela última vez na sexta-feira (24) e não eram consideradas desaparecidas desde então.

Leia Mais Duas jovens são encontradas mortas na zona rural de Ipojuca, no Grande Recife

Publicado em 22 de agosto de 2018 por

Ele disse que é preciso dar “mais condições” para a atuação de militares. Presidenciável também participou de evento em Botafogo.

Bolsonaro vai a enterro de militar morto em operação (Foto: AP Photo/Leo Correa )Bolsonaro vai a enterro de militar morto em operação (Foto: AP Photo/Leo Correa )

O candidato do PSL à Presidência da República nas eleições 2018, Jair Bolsonaro, esteve na tarde desta terça-feira (21) no enterro do cabo Fabiano de Oliveira dos Santos, de 36 anos, o primeiro militar morto na atual intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro. O enterro aconteceu no Cemitério de Japeri, na Baixada Fluminense.

Fabiano morreu após ser atingido no ombro por disparo na localidade conhecida como Serra da Misericórdia, no Complexo do Alemão, durante operação das forças de segurança na segunda-feira (20). Outro militar, o soldado João Viktor da Silva, de 21 anos, também morreu nesta segunda e foi enterrado no mesmo local.

O deputado entrou no Cemitério no momento em que militares bloqueavam a entrada do local impedindo o acesso de jornalistas. Ao sair do cemitério, Bolsonaro disse que o momento era de “consternação” pela perda do cabo.

Bolsonaro afirmou que é preciso dar “mais condições” aos soldados. “Não sou presidente. Se for, o soldado só age se tiver segurança jurídica”, afirmou Bolsonaro, antes de ir para um evento na praia de Botafogo.

À tarde, o candidato também participou em um evento em Botafogo, na Zona Sul do Rio. Ele explicou que, no cemitério, encontrou o pai do cabo Santos, Jorge, que serviu na Brigada Pára-quedista quando o candidato estava nas Forças Armadas.

“Estamos em guerra. E na guerra, na prática, os dois lados podem atirar. Se acontecer, se atiramos, dificilmente, nos livramos de uma auditoria militar. E se não atira, geralmente, acontece isso aí”, afirmou o candidato do PSL, acrescentando que defende que os militares e policiais tenham uma retaguarda jurídica para ocasiões de confrontos com criminosos.

Durante a passagem por Botafogo, Bolsonaro abriu uma conta bancária em uma agência dentro de um shopping para movimentar dinheiro da campanha, uma exigência da Lei Eleitoral. O candidato tirou fotos com lojistas e simpatizantes e, ao andar pela Praia de Botafogo.

Leia Mais Bolsonaro afirma que é preciso dar mais condições para a atuação de militares.

Publicado em 21 de agosto de 2018 por

Ele disse que é preciso dar “mais condições” para a atuação de militares. Presidenciável também participou de evento em Botafogo.

Bolsonaro chega ao Cemitério de Japeri, na Baixada Fluminense (Foto: Henrique Coelho/G1)Bolsonaro chega ao Cemitério de Japeri, na Baixada Fluminense (Foto: Henrique Coelho/G1)

O candidato do PSL à presidência da República, Jair Bolsonaro nas eleições 2018, esteve na tarde desta terça-feira (21) no enterro do cabo Fabiano de Oliveira dos Santos, de 36 anos, o primeiro militar morto na atual intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro. O enterro aconteceu no Cemitério de Japeri, na Baixada Fluminense.

Fabiano morreu após ser atingido no ombro por disparo na localidade conhecida como Serra da Misericórdia, no Complexo do Alemão, durante operação das forças de segurança na segunda-feira (20). Outro militar, o soldado João Viktor da Silva, de 21 anos, também morreu nesta segunda e foi enterrado no mesmo local.

O deputado entrou no Cemitério no momento em que militares bloqueavam a entrada do local impedindo o acesso de jornalistas. Ao sair do cemitério, Bolsonaro disse que o momento era de “consternação” pela perda do cabo.

Bolsonaro afirmou que é preciso dar “mais condições” aos soldados. “Não sou presidente. Se for, o soldado só age se tiver segurança jurídica”, afirmou Bolsonaro, antes de ir para um evento na praia de Botafogo.

À tarde, o candidato também participou em um evento em Botafogo, na Zona Sul do Rio.

Leia Mais Bolsonaro vai a enterro de militar morto em operação no Complexo do Alemão

Publicado em 21 de agosto de 2018 por

Grupo de 25 indígenas que vivia em abrigo público retornou a Venezuela no início da tarde. Volta ao país de origem foi motivada por medo que brasileiros voltem a atacar imigrantes, como ocorreu no sábado (18).

Indígenas Warao colocam os pertences em ônibus do governo venezuelano para irem embora de Pacaraima, em Roraima (Foto: Alan Chaves/G1 RR)Indígenas Warao colocam os pertences em ônibus do governo venezuelano para irem embora de Pacaraima, em Roraima (Foto: Alan Chaves/G1 RR)

Indígenas venezuelanos Warao que viviam no abrigo público de Pacaraima, na fronteira, saíram do local nesta terça-feira (21) e voltaram para a Venezuela. Dois ônibus com 25 pessoas deixaram o lugar no início da tarde. Eles decidiram voltar para o país por medo após brasileiros atacarem venezuelanos no último sábado (18).

Os indígenas seguem viagem até a região de Tucupita, onde vive a maioria dos nativos Warao. A venezuelana Coro Montoanguri chegou a Pacaraima no dia do conflito na fronteira e presenciou tudo de perto. Com medo, ela decidiu retornar a Venezuela.

“Vamos voltar porque sentimos muito medo. Cheguei no sábado, vi tudo o que aconteceu e estou amedrontada”, disse.

A secretária-adjunta de Políticas Internacionais de Roraima, Fátima Araújo, acompanhou o embarque do grupo e disse que a ida deles embora do Brasil foi um pedido dos próprios indígenas.

Leia Mais Índios venezuelanos deixam abrigo e vão embora do Brasil após ataque na fronteira: ‘temos medo’

Publicado em 20 de agosto de 2018 por
 Desde a última quarta-feira (15) a Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe recomeçou o asfaltamento das ruas do Centro do município. Os recursos são oriundos do Ministério das Cidades que totalizam quase 10 milhões de reais e irão servir para asfaltar mais de 45 ruas e avenidas.
As ruas José Pereira Neto e José Moraes da Silva no Centro, estão recebendo a pavimentação asfáltica. A ação é estratégica porque nas vias contam com pontos de referências de várias instituições como a sede da Guarda Civil Municipal, Cartório Civil e cruza com a Câmara Municipal de Vereadores.
A ação dessas ruas contempla ainda mais o centro comercial do município que já recebeu asfalto nas ruas Cabo Otávio Aragão, Siqueira Campos, Amaro Manoel, Boaventura Galdino, São Miguel e Padre Estima. As avenidas
Biu de Deda e Padre Zuzinha, e as Travessas Neci de Melo e Sete de Setembro também receberam investimentos.
Os recursos destinados a essas duas ruas totalizam em torno de 186 mil reais. A Rua José Pereira Neto teve um custo de aproximadamente R$ 81 mil e a Rua José Moraes da Silva com 105 mil reais.

 “São ações que tem recebido investimentos através do Ministério das Cidades e vem sendo executado graças ao nosso comprometimento na melhoria da qualidade de vida do nosso povo. Essas vias são importantes porque contém um grande fluxo de pessoas e veículos, além de repartições públicas”, disse o prefeito Edson Vieira.

 As ruas estão recebendo a primeira camada, posteriormente, a segunda e última camada será implantada, finalizando definitivamente as obras dos locais.

Leia Mais Asfalto das ruas do Centro de Santa Cruz do Capibaribe seguem em ritmo acelerado